Cabecalho

08 maio 2012

ANVISA e a Fórmula dos Produtos



formula

Bem como errar é humano, notei que comentei no blog que algumas informações incorretas, por isso venho aqui reconhecer isso.


Como a maioria sabe, sou apenas uma consumidora apaixonada por cosméticos, confesso que tento e me esforço ao máximo para aprender tudo sobre eles, mas muitas vezes como leiga posso estar errada, afinal de contas esse mercado "engana" muito bem e sabemos que o que manda hoje, amanhã pode mudar completamente.


Pois então, principalmente com produtos a base de argan costumava olhar na fórmula para saber sobre a sua concentração, entendia que a regra era a ordem decrescente (o primeiro ativo era o mais concentrado) e a exceção eram as empresas que não faziam isso.


Conversei com um pessoal formado em farmácia e alguns diziam que era isso mesmo, porém outros diziam que não e eu sinceramente tentando acreditar no que era mais benéfico, achei que funcionava dessa forma.


Agora a Lucy do Produtinhos no Cabelo abriu meus olhos, enviou um e mail para a ANVISA e conseguiu a resposta definitiva sobre o assunto.


Resumindo:

No Brasil não temos nenhuma legislação que obriga as marcas a seguirem essa ordem decrescente dos ativos mais concentrados, fora do país funciona dessa forma, mas aqui não é regra.

Ou seja, verificar na fórmula qual ativo é o mais concentrado por aqui não rola.


Como a Lucy mesmo escreveu, ficamos na mão das marcas e somos obrigadas a engolir aquilo que descrevem, por isso vale a dica para usar aquelas marcas que vc realmente confia.


Mesmo assim acho válido perguntar para as marcas que costumamos usar pelo site ou telefone do SAC para saber se seguem isso ou não, quem for honesto vai responder com certeza.


Muita gente pode estar pensando que isso serve para descobrir apenas sobre o argan ou um ativo do momento, mas não é, quem aqui segue o cronograma capilar sabe disso.


Saber se o produto é reconstrutor, nutritivo ou hidratante é fundamental para a saúde dos fios, por isso confie sempre desconfiando, na dúvida perguntem para as marcas sobre a sua composição.


Pelo menos agora para realizar os testes dos produtos capilares sempre vou tentar fazer isso.


Achei que valia a pena o alerta aqui, peço desculpas pelos posts que já escrevi acreditando que aqui funcionava dessa forma, como sou uma só não vou dar conta de refazer tudo.


Para mais informações é só clicar aqui que a Lucy explica direitinho.


Mais uma vez preciso agradecer essa informação, tanto a ela como a química que está desvendando esse mundo tão complexo!