Cabecalho

03 agosto 2012

To achando: Finalmente nosso mercado está mais rápido

cabelos
Hoje resolvi conversar com vcs como o nosso mercado de produtos nacionais está melhorando.


Quando é para descer a boca eu falo, nada mais justo elogiar então, ne?


Ando gostando de ver como o mercado está respondendo rápido as necessidades de nossos cabelos.


Uma febre surgiu chamada Escova Progressiva e em 99% dos casos acabou com o cabelo da mulherada.


Os rastros das progressivas são sempre os mesmos, a única diferença aqui é o tempo que aparecem, de cabelo para cabelo.


O primeiro sinal de perigo são as pontas que abrem ai veio a dona Natura e lançou agora o selador de pontas, antes só disponível pela importada Bonacure.


O segundo e pior sinal é a queda, mas não a queda da raiz, aquela que vem da quebra dos fios em qualquer altura do comprimento.


Agora as marcas resolveram lançar um arsenal de produtos anti queda (que vem da queda), fortificantes, tônicos, etc.


Até marcas como a Elseve e a Dove estão fazendo isso, significa que o desenvolvimento deles perceberam que estava mais do que na hora de colocar no Brasil esses produtos para a venda, e agora chegaram.


Acho que o mercado está bem mais rápido que alguns anos atrás, para vocês terem uma ideia quando comecei a pintar o cabelo de loiro (tinha 11, 12 ou 13 anos agora estou com quase 27 anos) demorei muito para saber o que era desamarelador e quando encontrei era só o Silver da L'Oréal, agora é muito bem ver qualquer perfumaria recheada de produtos com a mesma finalidade.


Acho que as marcas nacionais precisam se dedicar mais nas pesquisas, eu não sei onde eles fazem, mas na grande maioria entram em conflito com as necessidades reais de quem realmente trata do cabelo.


Agora acho que estão sentindo mais o mercado, porque vamos combinar que eles estão atrasados em relação a outros países, tenho a impressão que aqui só se cria e copia o que não presta (leia-se EP).


Se uma boa parte da empresas que comercializam essas progressivas da vida colocassem a nossa disposição para venda bons produtos de manutenção, pelo menos seria metade do caminho andado.


Mas ainda vivemos em uma situação que todo mundo quer praticidade, mas a grande maioria só se preocupa a curto prazo, vai no mercado e compra qualquer creme e tá tudo bom até que uma hora o bicho pega.


As empresas se preocupam com o que vendem de litros, uma linha de manutenção daria um lucro menor, então não se interessam muito.


De qualquer forma, foi bacana ver a onda do argan chegando por aqui, agora estão atrás de outros óleos, tanto que todo dia que passa encontramos algo "novo".


As marcas demoravam muito para responder as nossas necessidades, lançavam só linhas pós coloração, pós progressiva, pós alguma coisa, acho que finalmente está sendo mais específicas que isso.


Nosso mercado também merece, afinal de contas o que o Brasil consome em cosméticos chega a ser absurdo, estava mais do que na hora que o nosso mercado evoluísse como aconteceu com a maquiagem.